quarta-feira, 30 de março de 2016

Andragogia: Qua a relação com a a Pedagogia


O que é Andragogia?
Encontrado em http://www.stancebrasil.com.br/artigos.asp?cod_site=0&id_artigo=21 
Andragogia é a arte ou ciência de orientar adultos a aprender, segunda a definição creditada a Malcolm Knowles, na década de 1970. O termo remete a um conceito de educação voltada para o adulto, em contraposição à pedagogia, que se refere à educação de crianças.
 
A andragogia se diferencia da pedagogia - educação de crianças – pois considera que na educação de adultos é necessário criar um ambiente de ensino-aprendizado específico, uma vez que o adulto é um aprendiz que já possui uma gama de conhecimentos adquiridos através de experiências e oportunidades anteriores. Este novo ambiente deve levar em consideração que na educação de adultos e os temas a serem trabalhados precisam ser estabelecidos em função das necessidades dos aprendizes, pois são indivíduos independentes e que só aprendem aquilo que lhes é de interesse e que têm aplicação prática. Os aprendizes adultos ficarão estimulados para o aprendizado a medida que conseguirem vislumbrar a utilidade do que irão aprender, para enfrentar os problemas reais de sua vida pessoal e profissional.
 
Esta terminologia ou método foi criado pelo norte-americano Malcolm Knowles, na essência é a redefinição do papel do professor universitário ou do professor que ministra para adultos.
 
A principal contribuição da Andragogia em treinamento é a quebra do paradigma em que o instrutor deve ser o detentor de todo o conhecimento e “depositar” este conhecimento nos trabalhadores. O treinamento deve ser um momento de encontro de pessoas com troca de experiências e conhecimentos em diferentes direções.
 
“Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção”
Paulo Freire
 
AS DIFERANÇAS ENTRE PEDAGOGIA X ANDRAGOGIA:
 

 
Características da Aprendizagem
Pedagogia
Andragogia
Relação Educador/Aprendiz
O educador é o centro das ações, decide o que ensinar, como ensinar e avalia a aprendizagem.
A aprendizagem adquire uma característica mais centrada na pessoa, na independência e na auto-gestão da aprendizagem.
Razões da Aprendizagem
Crianças devem aprender o que a sociedade espera que saibam (seguindo um currículo padronizado).
Adultos aprendem o que realmente precisam saber (aprendizagem para a aplicação prática na vida diária).
Experiência do Aprendiz
O ensino é didático, padronizado e a experiência do aprendiz tem pouco valor.
A experiência é rica fonte de aprendizagem, através da discussão e da solução de problemas em grupo.
Papel da Experiência
A experiência daquele que aprende é considerada de pouca utilidade. O que é importante, pelo contrário, é a experiência do professor.
Os adultos são portadores de uma experiência que os distingue das crianças e dos jovens. Em numerosas situações de formação, são os próprios adultos com a sua experiência que constituem o recurso mais rico para as suas próprias aprendizagens.
Orientação da Aprendizagem
A aprendizagem é encarada como um processo de conhecimento sobre um determinado tema. Isto significa que é dominante a lógica centrada nos conteúdos, e não nos problemas.
Nos adultos a aprendizagem é orientada para a resolução de problemas e tarefas com que se confrontam na sua vida cotidiana (o que desaconselha uma lógica centrada nos conteúdos)
 
   
Pedagogia x Andragogia – Comparações

Pessoal, como todos bem sabem, além de Empresário, atuo como Gerente de Projetos e professor em curso de pós-graduação. Desta forma, esta a muito tempo, devendo um post aqui sob o contexto comparativo entre a Pedagogia x Andragogia. Busquei em inúmeras bibliografias, um texto que pudesse trazer a luz do entendimento esta diferença. Encontrei um site muito legal que trata este assunto: http://www.andragogia.com.br do Mestre Rodrigo Goecks, o qual extrai um pequeno trecho para postar aqui.
Mestre Rodrigo, muito obrigado pela contribuição.
De tudo o que pesquisei sobre o assunto, resolvi escrever um artigo a respeito.
Esse artigo, tem como elemento de indagação, um impasse conceitual que visa o universo educacional, a diferença entre Andragogia e a Pedagogia, particularmente no período pós Lei de Diretrizes e Bases, publica em 1996.  Apresentaremos  uma reflexão sobre alguns elementos fundantes do campo da Andragogia e a diferença básica com a Pedagogia, vista na amplitude dos processos educacionais.
Os princípios da Pedagogia:
A Pedagogia abrange campo teórico-investigativo da educação, do ensino, de aprendizagens e do trabalho pedagógico que se realiza na práxis social. As atividades do profissional nessa área envolvem a docência, a gestão dos processos educativos em ambientes escolares e não-escolares, e ainda a produção e disseminação de conhecimentos da área da educação.
De acordo com a perspectiva das Diretrizes Curriculares, o profissional de Pedagogia, atua nas seguintes areas:
– docência na Educação Infantil, nos anos iniciais do Ensino Fundamental, nas disciplinas pedagógicas do curso de Ensino Médio na modalidade Normal, assim como em Educação Profissional, na área de serviços e apoio escolar, além de em outras áreas (educação indigna, de jovens e adultos, de portadores de necessidades especiais, e outras áreas emergentes no campo sócio-educacional, tal como a Educação e Saúde) nas quais conhecimentos pedagógicos sejam previstos;
– gestão educacional, entendida numa perspectiva democrática, que integre as diversas atuações e funções do trabalho pedagógico e de processos educativos escolares e não-escolares, especialmente no que se refere ao planejamento, à administração, à
– coordenação, ao acompanhamento, à avaliação de planos e de projetos pedagógicos, bem como análise, formulação, implementação, acompanhamento e avaliação de políticas públicas e institucionais na área de educação;
– produção e difusão do conhecimento científico e tecnológico do campo educacional.
Existem inúmeros teóricos que escrevem sobre a pedagogia. Malcolm Knowles foi um dos primeiros autores a analisar com profundidade as diferenças principais entre a pedagogia (ensino de crianças) e a maneira como o adulto busca o seu conhecimento (andragogia).
Para descrever sobre a andragogia, é necessário que se conheça os seus princípios, listados abaixo.
Os princípios da Andragogia:
  1. Necessidade de saber: o adulto precisa entender o porquê do aprendizado e qual o ganho que ele terá com o processo. Nesse sentido, é importante demonstrar os gaps e os resultados esperados.
2. Autoconceito: adultos são responsáveis por suas ações e querem ser vistos dessa forma. Portanto, a relação professor-aluno que o coloque em uma posição passiva pode criar um conflito. O educador deve criar experiências que ajudem o participante a fazer a transição de aluno dependente para auto-orientado.
3. O papel das experiências: necessariamente, o adulto chega à sala de aula com muito mais experiência do que uma criança. O aprendizado será muito mais rico e intenso se cada participante sentir a oportunidade de contribuir no processo. O adulto é a sua experiência de vida, portanto, negar sua experiência é negar a pessoa.
4. Prontidão para aprender: o adulto estará mais disposto a aprender as coisas que necessita para atingir resultados positivos em situações reais de seu dia a dia, ou seja, a necessidade gera prontidão. Uma forma de demonstrar isso ao participante pode ser expondo-o a oportunidades de realizar um grande desempenho ou por meio de coaching.
5. Orientação para a aprendizagem: diferentemente da criança, que é orientada para o processo de aprendizado em si, o adulto tem o foco em sua vida, suas tarefas e seus problemas. Ou seja, ele tem disposição para aprender o que dá resultado claro e, preferencialmente, imediato. Dessa maneira, é fundamental demonstrar a aplicação e a utilidade de cada conceito apresentado.
6. Motivação: embora alguns fatores externos possam ser importantes motivadores (melhores salários, promoções, etc.), os aspectos intrínsecos geram uma motivação muito mais ativa. Dessa forma, devem ser levados em conta programas que auxiliem no desenvolvimento de uma maior auto-estima, satisfação no trabalho ou qualidade de vida.
Malcom Knowles, aborda comparativamente:
 
Modelo Pedagógico
Modelo Andragógico
 Papel
da
Experiência
A experiência daquele que aprende é considerada de pouca utilidade. O que é importante, pelo contrário, é a experiência do professor.
Os adultos são portadores de uma experiência que os distingue das crianças e dos jovens. Em numerosas situações de formação, são os próprios adultos com a sua experiência que constituem o recurso mais rico para as suas próprias aprendizagens.
Vontade
de
Aprender
A disposição para aprender aquilo que o professor ensina tem como fundamento critérios e objetivos internos à lógica escolar, ou seja, a finalidade de obter êxito e progredir em termos escolares.
Os adultos estão dispostos a iniciar um processo de aprendizagem desde que compreendam a sua utilidade para melhor afrontar problemas reais da sua vida pessoal e profissional.
Orientação
da
Aprendizagem
A aprendizagem é encarada como um processo de conhecimento sobre um determinado tema. Isto significa que é dominante a lógica centrada nos conteúdos, e não nos problemas.
Nos adultos a aprendizagem é orientada para a resolução de problemas e tarefas com que se confrontam na sua vida cotidiana (o que desaconselha uma lógica centrada nos conteúdos)
Motivação
A motivação para a aprendizagem é fundamentalmente resultado de estímulos externos ao sujeito, como é o caso das classificações escolares e das apreciações do professor.
Os adultos são sensíveis a estímulos da natureza externa (notas, etc), mas são os fatores de ordem interna que motivam o adulto para a aprendizagem (satisfação, auto-estima, qualidade de vida,, etc)
Amélia Hamze diz que: “Andragogia é um caminho educacional que busca compreender o adulto”. Ou seja, a Andragogia significa, “ensino para adultos”.
Andragogia é a arte de ensinar aos adultos, que não são aprendizes sem experiência, pois o conhecimento vem da realidade (escola da vida). O aprendizado é factível e aplicável. Esse aluno busca desafios e soluções de problemas, que farão diferenças em suas vidas. Busca na realidade acadêmica realização tanto profissional como pessoal, e aprende melhor quando o assunto é de valor imediato. O aluno adulto aprende com seus próprios erros e acertos e tem imediata consciência do que não sabe e o quanto a falta de conhecimento o prejudica. Precisamos ter a capacidade de compreender que na educação dos adultos o currículo deve ser estabelecido em função da necessidade dos estudantes, pois são indivíduos independentes autodirecionados.
Na Andragogia, a aprendizagem adquire uma particularidade mais localizada no aluno, na independência e na auto-gestão da aprendizagem, para a aplicação prática na vida diária. Os alunos adultos estão preparados a iniciar uma ação de aprendizagem ao se envolver com sua utilidade para enfrentar problemas reais de sua vida pessoal e profissional.
A circunstância de aprendizagem deve caracterizar-se por um “ambiente adulto”. A confrontação da experiência de dois adultos (ambos com experiências igualadas no procedimento ativo da sociedade), faz do professor um facilitador do processo ensino aprendizagem e do educando um aprendiz, transformando o conhecimento em uma ação recíproca de troca de experiências vivenciadas, sendo um aprendizado em mão dupla.
São relações horizontais, parceiras, entre facilitador e aprendizes, colaboradores de uma iniciativa conjunta, em que os empenhos de autores e atores são somados. A metodologia de ensino e aprendizagem fundamenta-se em eixos articuladores da motivação e da experiência dos aprendizes adultos.
Nesse processo os alunos adultos aprendem compartilhando conceitos, e não somente recebendo informações a respeito. Desta coexistência e participação nos processos de decisão e de compreensão podem derivar contornos originais de resolução de problemas, de liderança, identidades e mudanças de atitudes em um espaço mais significativo.
Em classes de adultos é arriscado assinalar quem aprende mais: se o professor ou o estudante. Na educação convencional o aluno se adapta ao currículo, mas na educação de adulto, o aluno colabora na organização do currículo. A atividade educacional do adulto é centrada na aprendizagem e não no ensino, sendo o aprendiz adulto agente de seu próprio saber e deve decidir sobre o que aprender. Os adultos aprendem de modo diferente de como as crianças aprendem. Portanto é essencial que os métodos aplicados também sejam distintos. A finalidade é o de propor como o adulto aprende, não avaliar sua capacidade de aprendizagem. A aprendizagem procede mais da participação em tarefas , do estudo em grupo e da experiência. O papel do educador é facilitar a aprendizagem, enfatizando, nesse procedimento, a bagagem de informação trazida por seus educandos.
Conforme mencionado pelo professor Roberto Giancaterino,  “os conceitos inerentes ao modelo andragógico têm subjacente, uma definição de adulto que implica a capacidade de este ser responsável por si próprio nos diferentes contextos de vida.”
Neste sentido, a educação de adulto será através de situações e não de disciplinas.
Infelizmente o nosso sistema acadêmico cresce em ordem inversa: disciplinas e professores constituem o centro educacional. Na educação convencional, com a utilização da pedagogia, é exigido do estudante ajustar-se ao currículo estabelecido; na educação de adulto, com a utilização da andragogia, o currículo é construído em função da necessidade do estudante. Neste interim, todo adulto se vê envolvido com situações específicas de trabalho, de lazer, de família, da comunidade, etc. – situações essas que exigem ajustamentos.
O adulto começa nesse ponto. As matérias (disciplinas) só devem ser introduzidas quando necessárias. Textos e professores têm um papel secundário nesse tipo de educação; eles devem dar a máxima importância ao aprendiz.
Os adultos são conscientes de suas decisões de vida e esperam ser tratados pelos demais como indivíduos capazes de se autogerir. Esta atenção não pode faltar também a outros aspectos que se relacionam com o perfil do estudante adulto.
Ante ao exposto, denota-se salientar que, para se atender as expectativas do público adulto – é necessário que sejam introduzidos o conceitos andragógico nos currículos e abordagens didáticas dos cursos superiores.
Os acadêmicos precisarão de que lhes seja dito o que aprender e lhes seja indicado o melhor caminho a ser seguido. Mas devem ser estimulados a trabalhar em grupos, a desenvolver idéias próprias, a desenvolver um método pessoal para estudar, a aprender como utilizar modo crítico e eficiente, os meios de informação disponíveis para seu aprendizado.
CONCLUSÃO
Neste século, vivemos diante de uma economia com mudanças constantes e em todas as áreas. Quanto mais céleres as mudanças, maior o seu impacto sobre os estudantes em geral, porque eles têm que se adaptar rapidamente à nova situação.
É esse processo de adaptação contínua que garante a sobrevivência e o desenvolvimento acadêmico. Essa capacidade do estudante de conduzir o seu próprio destino e de modificar o ambiente que o cerca deve-se a sua capacidade de decidir, de mudar, de reaprender e de aprender a aprender.
A concepção do aprender a aprender como um processo evolutivo, coloca nas decisões dos estudantes autiais a capacidade e a responsabilidade de ser um co-construtor de um projeto de futuro desejado. A convivência com o excesso de informações e sensações impostas pelo mundo atual não lhe deixa outra alternativa que não a de desenvolver essa habilidade de “aprender a aprender”.
Assim, as instituições de ensino superior precisam estimular no estudante o autodidatismo, a capacidade de autoavaliação e autocrítica, as habilidades profissionais, a capacidade de trabalhar em equipes.
Necessita-se enfatizar a responsabilidade pessoal pelo próprio aprendizado e a necessidade e capacitação para a aprendizagem continuada ao longo da vida. Estes, os princípios da andragogia, que levam em consideração a vivência do estudante no processo de ensino-aprendizagem.
Principais teóricos:
Malcolm Knowles
Malcolm Knowles é o autor que desenvoveu a Andragogia. Em sua teoria, ele considera pontos interessantes e bastante atuais que evidenciam por que um aluno se envolve ou não em um processo de aprendizado. Isso inclui a valorização de experiências já vividas, a forma como o próprio adulto se enxerga dentro de sala de aula, quais são as expectativas e motivações e como isso se dá na “vida real”, de volta ao ambiente de trabalho.
Bob Pike e David Kolb
Exploramos também a abordagem de outros autores para conceber novas tecnologias de aprendizagem. Bob Pike propõe uma série de dinâmicas para que o instrutor saiba aproveitar os diferentes níveis de conhecimento de cada aluno dentro de um grupo. O LAB utiliza estes parâmetros para promover aulas mais interessantes e participativas. Já David Kolb sugere a utilização de experiências como mediadora entre o aprendizado e a vida real do participante, para consolidar o conteúdo estudado. O LAB se apóia neste conceito para incentivar a reflexão, a observação e realização de atividades vivenciais que transportam a teoria para a prática.
Bibliografia
COELHO, J. Augusto, 1861-1927 – Princípios de pedagogia / J. Augusto Coelho. – São Paulo : Teixeira & Irmão, 1891-1893. – 4 v. ; 23 cm
ANDRAGOGIA, Lab.ssj – Laboratório de Negócios – http://www.labssj.com.br/site/st_index.asp?COD_CONTEUDO=71
HAMZE, Amélia, Canal do Educador, trabalho de docente – http://www.educador.brasilescola.com/trabalho-docente/andragogia.htm


Novos conceitos educacionais- pedagogia, andragogia e heutagogia

encontrado em http://www.portaleducacao.com.br/pedagogia/artigos/58217/novos-conceitos-educacionais-pedagogia-andragogia-e-heutagogia
Artigo por Daniela Cordeiro de Almeida Lemos - quarta-feira, 8 de outubro de 2014
Tamanho do texto: A A

Visam à construção do conhecimento
Visam à construção do conhecimento
Novos conceitos educacionais- pedagogia, andragogia e heutagogia - juntamente com as neurociências


INTRODUÇÃO


A pedagogia, a andragogia e a heutagogia visam à construção do conhecimento, onde o próprio indivíduo o busca e o constrói de maneira científica e instigante.


A pedagogia está associada ao professor, instrumento de condução do processo ensino-aprendizagem, pois é ele que propõe e conduz todo o processo, selecionando o conteúdo a ser aprendido e a metodologia a ser aplicada. Dentro desta visão cabe ao professor, somente conduzir o processo, pois cabe a criança construí-lo e jamais impor o conteúdo a ser desenvolvido como ainda, algumas escolas ditas tradicionais o fazem.


A andragogia perpassa no processo ensino-aprendizagem dos adultos, sendo atualmente trabalhado como Educação de Jovens e Adultos (EJA). É tarefa do professor conduzir o que aprender e ao aprendiz como aprender.


A heutagogia é um processo onde o aprendiz e o professor estão em uma única pessoa, podendo ser o professor um facilitador do processo educacional, o indivíduo busca o conhecimento, sendo ele responsável em buscar o conteúdo a ser aprendido e a traçar sua própria metodologia.


Essas novas maneiras, ou melhor, esses novos conceitos visam ao crescimento e a autonomia de cada indivíduo de acordo com sua idade e seu nível do processo ensino-aprendizagem.


As neurociências dão, então, um suporte nesses processos, mostrando de modo científico que a motivação leva à construção do conhecimento e que sua consolidação está associada aos circuitos neuronais (redes de neurônios). Sendo assim, há como aprender sempre de maneira prazerosa.


Dessa maneira, o artigo em questão, propõe uma reflexão aos novos conceitos educacionais tendo um suporte das neurociências.


DISCUSSÃO

PEDAGOGIA

A pedagogia é uma ciência que conduz a criança ao seu conhecimento. Sua terminologia deriva do grego antigo sendo paudós (criança) e agogí (condução).


Dessa forma, a pedagogia está focada na criança que deve ser conduzida ao conhecimento por um professor. Este determina o que aprender (conteúdo) e como aprender (metodologia). Esse papel do professor é de extrema importância, pois pode levar a criança ao encantamento do processo ensino-aprendizagem e dessa maneira ela o buscará sempre, pois se gera uma sensação de bem estar no cérebro; ou de sua privação, onde a mesma será impedida de construir seu próprio saber. Segundo Ruben Alves em uma palestra educacional: o professor poder ser um jardineiro ou um lenhador, ou seja, cuida de seu jardim e obtém belas flores ou simplesmente corta e decepa o desejo de aprender.

Fonte: PORTAL EDUCAÇÃO - Cursos Online : Mais de 1000 cursos online com certificado
http://www.portaleducacao.com.br/pedagogia/artigos/58217/novos-conceitos-educacionais-pedagogia-andragogia-e-heutagogia#ixzz44QMDEk00
 

sexta-feira, 4 de março de 2016

Fábulas de Esopo

Esopo foi um escritor da Grécia Antiga a quem são atribuídas várias fábulas populares. A ele se atribui a paternidade das fábulas como gênero literário.
As fábulas de Esopo são uma coleção de fábulas creditadas a Esopo, um escravo e contador de histórias que viveu na Grécia Antiga.
  • Esopo foi um escritor da Grécia Antiga a quem são atribuídas várias fábulas populares. A ele se atribui a paternidade das fábulas como gênero literário.
  • Resultado de imagem para que foi esopoResultado de imagem para que foi esopoResultado de imagem para que foi esopo
  • Pesquisas relacionadas

  •  
    Fábula - O Pastor e o Leão
    Frequentemente, induzidos pelas aparências das coisas, acabamos por desejar um suposto benefício, que, na verdade, logo irá se revelar como uma grande e equivocada fantasia...
    O Leão e o Lobo
    Cabe ao hipócrita justificar sempre os seus atos como válidos, até como uma forma de autenticar sua postura, como um padrão de comportamento digno de ser imitado.

    O Cachorro e o seu Reflexo
    Para a maioria dos indivíduos, o não contentar-se com aquilo que já se possui é uma ideia fixa. Será que também consideram os efeitos colaterais dessa postura?


    O Filhote de Cervo e sua Mãe
    Para a maioria das pessoas é mais cômodo conviver com seus medos e fraquezas, mesmo sabendo que são capazes superar cada uma dessas coisas.
    O Cão Raivoso
    Em nossos dias, na busca por notoriedade e fama qualquer coisa é válida. Mas, poderia ser essa visibilidade de ocasião um sinal de superioridade?
    O Asno, a Raposa e o Leão
    O falso amigo convive apenas para tirar algum proveito do outro. Para obter êxito, usará da mentira e da deslealdade. Não respeitará nem aqueles que chama de aliados.

     

    O Cavalo e o seu Cuidador
    Há em nossos dias a ideia de que apenas as palavras são capazes de atestar o caráter de um indivíduo. E disso se valem os hipócritas e enganadores de incautos.
    O Galo e a Pedra Preciosa
    Qual seria a medida capaz de definir para nós o valor de cada coisa existente em nosso mundo? Seria sua real utilidade, ou simplesmente seu valor simbólico?
    O Morcego e a Doninha
    Diante de um problema é comum o embaraço do protagonista, e isso ocorre, na maioria das vezes, pela falta da inteligência necessária à solução daquele contratempo.


    Os Viajantes e a Árvore
    Para alguns, parece que o mundo é um imenso parque de diversões, onde tudo que existe é para serví-los. Talvez, por isso mesmo, não seja tão comum, ainda hoje, a prática do exercício da gratidão...
     
     
     
     


    Glitter Text @ Glitterfy.com

    UOL Notícias





    Declaração Universal dos Direitos Humanos