sexta-feira, 12 de junho de 2009

Interdisciplinaridade: Uma Questão de Propósito

Raylene Rêgo Braz Andrade Oliveira. Assessora e Consultora Pedagógica. Especialista em Interdisciplinaridade. www.raylenerego.blogspot.com/ raylenerego@hotmail.com.

Desenvolver a pedagogia de projetos, dinâmicas em sala de aula, dentre outros, incluindo a interdisciplinaridade: é uma questão de propósito. Quando se pensa interdisciplinamente automaticamente a concepção fragmentada perde espaço; passa a surgir a visão unitária do ser humano.
Interdisciplinaridade é uma palavra imensa e dificultosa no pronunciar; complexa para se viver; conflituosa para se discutir, mas fascinante e real para alguns profissionais da educação. Muitas vezes vivenciamos atitudes interdisciplinares e não as contextualizamos e nem damos continuidade as nossas ações por não sermos conhecedores do tema. “Descobrir-se interdisciplinar é uma experiência gratificante. Acredito que essa descoberta começa justamente quando você se interessa pela palavra interdisciplinaridade. (Fazenda, 2002, p. 57)”.
No entanto, ser interdisciplinar é estar aberto ao novo, a enxergar o mesmo objeto em toda a sua plenitude: lado, cima, baixo, frente, trás e não simplesmente ser reducionista ao que a visão alcança em primeira instância. Ser interdisciplinar é se ter atenção com a opinião crítica do outro para fundamentar sua opinião particular.
A Interdisciplinaridade prima pela integração no sentido de organização, sistematização de disciplinas, ou seja, para que seja efetivada a interdisciplinaridade deve haver integração entre disciplinas. “A interdisciplinaridade não consiste numa desvalorização das disciplinas e do conhecimento produzido por elas” (Heloísa Luck, 1994, p.67).
No entanto, não se pode integrar apenas conteúdos, ou temas, ou dinâmicas e metodologias, mas sim conhecimentos específicos para que se chegue ao abrangente (global). Como diz Libâneo (1996, p.13) “O importante não é a transmissão de conteúdo específico, mas despertar ema nova forma da re lação com a experiência vivida”. Ainda sobre o assunto aponta Gadotti (1986, p.87): O aluno perde o interesse diante de disciplinas que nada tem a ver com a sua vida, com suas preocupações. Decora muitas vezes aquilo que precisa saber (de forma forçada) para prestar exames e concursos. Passada as provas, tudo cai no esquecimento”.
A interdisciplinaridade quando vivenciada ultrapassa a sala de aula. Porque é a través da ação interdisciplinar que o aluno participa, discute e emite parecer diante do conteúdo livresco, relacionando-o com o seu dia-a-dia. dizer o que pensa oportuniza ao participante expor o seu letramento: a sua visão de sociedade, o seu papel na sociedade e a sua importância para essa sociedade e enfim, qual a sua posição de cidadão.
Contudo, além de toda a integração precisa e necessária, deve-se recorrer à interação, que é elemento da integração e visa novos questionamentos, novas buscas e descobertas, transformando realidades.
Vale ressaltar, que muitas vezes os pedagogos, educadores e profissionais da área educativa de maneira geral não conseguem compreender, caracterizar e distinguir Pluridisciplina; Multidisciplina; Interdisciplina; Transdisciplina.




Referências Bibliográficas

GADOTTI, M. Educação e Compromisso, 2ª ed. Campinas: Papirus, 1986.

HELOISA, Luck.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da Escola Pública: a pedagogia Crítico- Social dos Conteúdos. São Paulo: Loyola, 1996.


www.raylenerego.blogspot.com/ raylenerego@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Recadinho


Glitter Text @ Glitterfy.com

UOL Notícias





Declaração Universal dos Direitos Humanos