segunda-feira, 1 de março de 2010

As Formas do Medo

"Série: Criando uma mente saudável – Parte 10”

Autores: Jon Talber / Ester de Cartago[1]

Fonte: http://sitededicas.uol.com.br/ed_integral_formas_do_medo.htm

Assim como quem monta um complexo castelo de blocos, também os medos vão sendo inseridos aos poucos...
Nosso cérebro foi programado pela natureza para aprender qualquer coisa, assim aprender é simples e fácil, difícil mesmo é largar o aprendizado que já não nos serve, a exemplo dos vícios, das manias, das paranóias.


Claro que criança não nasce com medo, especialmente com as causas, os indutores que suscitam esse medo. Uma forma de suscitar medo, o medo do escuro, por exemplo, possui em seu lastro, toda uma história criada pelos adultos, que diz respeito aos adultos, e estes são os mitos, as tradições de todos os tempos, que conceituaram a escuridão como um atributo de coisa ruim. É como a história da mãe que, não desejando que o filho a desobedeça, se vale da falta de visibilidade que existe na escuridão da noite, e o induz a crer que, dali sairá um Bicho Papão, para pegá-lo, caso não se comporte. A partir desse ponto, a simples menção do escuro, já o condiciona a ter medo, não do escuro, mas das coisas que podem surgir de dentro dele, para lhe fazer mal.

É imaturo de nossa parte, quando imaginamos que o tempo, resolverá por si mesmo os nossos problemas existenciais. Basta olhar nosso passado. Basta retroceder no tempo, e teremos como resposta um homem que ciclicamente se repete, conservando assim seus conflitos, suas preocupações com a morte e a vida, sem conseguir se libertar de suas angústias mais primárias, como o medo de ficar só, suas ansiedades, e o medo de perder tudo. A raiz “Medo” continua a fazer parte dos seus dias, desde o tempo quando ainda era um animal, menos racional do que o é hoje em dia.

Então estamos diante de um quadro que se repete, porque nós somos o meio através do qual ele se recicla permanentemente, e desejamos saber por que esse homem, depois de tanto progresso científico obtido, ainda não consegue ser feliz, viver em paz e livre do todo o antagonismo que acompanha seus passos através das gerações.
Podemos imaginar uma criança, sua mente, como uma folha de papel em branco, onde qualquer roteiro pode ser escrito.

Quando se analisa um comportamento infantil, que tende a acompanhá-la até a fase adulta, precisamos compreender que tal comportamento, ou personalidade, ou inclinações para uma ou outra coisa, são estados emocionais que já existem em todas as sociedades, logo, ela apenas absorve aquilo que já existe como prática corrente, e aceita como coisa válida. Tais práticas já foram incorporadas ao cotidiano dos adultos, aperfeiçoadas ao longo de incontáveis gerações, e tudo que lhes resta agora é absorver tudo isso, sem direito algum à escolha. Podemos escolher por onde caminhar, jamais a aprender a andar.

Um dos maiores equívocos dos adultos é julgar a criança a partir de si mesmo. Ele sequer é capaz de compreender que o estado emocional de uma criança, ainda está em fase de desenvolvimento, ainda carece de muitas experiências e memórias para, talvez, se equiparar a sua. Mas, a criança sabe imitar, e isso ela não aprende, é um atributo de berço. Poderá, no entanto, tornar-se um mestre em imitação, trabalhar à perfeição essa qualidade que lhe é inata. Por isso mesmo, copiará dos adultos a maioria das suas manias, sejam elas inúteis ou úteis.

Quando se tem medo, a primeira reação é tentar evitar a causa desse medo. E a fuga da causa do medo se torna mais importante que o medo em si. Mas, do mesmo modo que a estrutura de um prédio se apóia em seus alicerces, a fuga, apenas fortalece esse medo, se tornam os alicerces da sua existência. Podemos evitar as causas do medo, mas ele permanecerá em nós amparado pelo meio de fuga. E a fuga se torna uma proteção parcial, ilusória, enquanto o medo em si, continuará a existir, intocado, como se fosse uma coisa sagrada que devesse ser preservada, até do nosso olhar.
Quando criamos a comparação como medida para classificar coisas e pessoas, criamos também as bases do medo. E o desejo de ser maior, melhor, mais belo, mais inteligente, mais qualquer coisa, que vê o nosso semelhante como aquele que deve ser superado, vencido, torna-se um objetivo natural. E numa disputa, inevitável é que não exista o medo. Medo de não conseguir, de ser superado, de ser inferiorizado, de se perder qualquer coisa.

No momento que recompensamos nossos filhos com elogios fáceis, ou presentes, pelo simples fato de cumprirem suas obrigações, estamos também incutindo em suas mentes a barganha, a troca de favores, como o único caminho para se conseguir alguma coisa. E a criança não mais verá os outros como seres humanos iguais a si mesmo, mas como simples objetos que podem ser comprados para servir aos seus desejos. Jamais será capaz de respeitar alguém, nem aqueles aos quais criou algum tipo de dependência, que sejam capazes de lhe favorecer, atender às suas vontades.

Uma criança aprende a ter medo. Evitar uma conhecida coisa, algo que sabidamente seja capaz de nos causar danos físicos, é prudência, é uma estratégia de sobrevivência, é o medo natural, saudável, o único que existe. Criar mentalmente situações que presentemente não existam como fatos concretos diante de nós, isso é o medo psicológico, trata-se de uma deformação na lógica do pensamento, é o medo virtual, o medo que não existe. As bases desse medo psicológico, isso nos é ensinado, quando nossos pais nos ameaçam, para cumprirmos nossas tarefas infantis, ou nos comportamos em casa, não fazermos barulho, ou escovarmos os dentes, etc.

Dessa base inicial, todas as causas de nossos medos são criadas. Da mesma forma que aprendemos a gostar de ganhar presentes, ou elogios, também passamos a temer os opostos dessas coisas. Então nos tornamos mais temerosos, mais inseguros em nossas ações, e nossa criatividade é substituída pelo desejo de imitar. Imitar é mais simples, basta seguir as ordens e direções já traçadas, basta que nunca nos desviemos das normas estabelecidas. Assim, a conformação, com qualquer tipo de situação, seja ela má ou boa, é tudo que mais desejaremos.

Por isso, o temor às críticas, e a constante sensação de que somos observados o tempo todo por um censor dos nossos movimentos, até do nosso pensar, nos impedirá se sermos espontâneos, uma vez que isso pode não ser permitido, por aqueles que apenas esperam o momento de nos castigar. O conflito interior é inevitável, e lutaremos a vida inteira para nos livrar desse observador, desse cobrador insaciável, que insiste em exigir de nós conformismo, que façamos a sua vontade, nunca a nossa.

Por fim, uma criança pode crescer livre de todos os medos, exceto os saudáveis, que já foram citados antes. Os pais podem cuidar disso, desde que eles próprios sejam capazes de lidar com os seus. Quando estamos dispostos a examinar a estrutura do medo, e não das coisas que nos despertam esse medo, vamos descobrir que se trata apenas de um artifício da mente, uma anomalia em seu funcionamento, que podemos chamar de falta de compreensão.

Assim, explicar aos nossos filhos, desde cedo, como nós pais, ou adultos, criamos a maioria das causas dos seus medos, com a intenção de controlá-los, é de vital importância, e um gesto de coragem e honestidade. Afinal de contas, existem muitas outras formas de conseguirmos disciplinar e colocar ordem em nossos filhos, sem o uso de tais artimanhas perniciosas.

Autores:
Jon Talber - jontalber@gmail.com
Ester de Cartago - estercartago@yahoo.com.br
Veja mais detalhes sobre os autores nas notas abaixo.


Notas:

[1]
Jon Talber é pedagogo e escritor de temas de auto-ajuda. Estudou por muito tempo filosofia oriental e antropologia. Torna-se mais um colaborador eventual do nosso Site, onde pretende compartilhar parte daquilo que aprendeu.

Ester Cartago é psico-orientadora em educação infantil e fundamental. Pesquisadora em antropologia social e fobias, também escritora de contos infantis, e colaboradora eventual do Site de Dicas.

© Copyright 2000-2008 http://www.sitededicas.com.br - Todos os direitos reservados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Recadinho


Glitter Text @ Glitterfy.com

UOL Notícias





Declaração Universal dos Direitos Humanos