segunda-feira, 14 de junho de 2010


fonte
http://www.metaforas.com.br/
A Metáfora é uma das mais poderesoas formas de comunicação pelo seu poder de quebrar resistÊncias com histórias que levam as mensagens que você quer comunicar.

Mudanças com Metáforas na Educação

Por João Nicolau Carvalho*

As metáforas e contos são ferramentas importantes na educação. A humanidade, em sua fase oral, utilizava os contos, os adágios, as parábolas, as metáforas, para ensinar às gerações mais jovens, a história e estórias de sua própria gente, dos antepassados míticos e heróicos. Os modernos conceitos de metáfora, baseado na obra de Milton Erickson, adotados pela PNL, incluem símeles, parábolas, alegorias ou figuras de linguagem que impliquem uma comparação. Mas as histórias, fábulas e parábolas constituem suas formas mais evoluídas.

As metáforas comunicam indiretamente. E é um processo de linguagem que consiste em fazer uma substituição analógica. Metáforas simples fazem simples comparações: "meter a mão em cumbuca, feio como o diabo, fazer das tripas coração". Metáforas complexas são histórias com diversos níveis de significado. "Uma metáfora contada de maneira clara e simples distrai a mente consciente e ativa a procura inconsciente de significados e recursos" (O'CONNOR, Joseph e SEYMOUR, John. Introdução à programação neurolingüística. São Paulo: Summus, 1995). Quer dizer, revelam elementos ocultos que apenas o inconsciente pode perceber e utilizar.

As metáforas podem adotar várias formas, dependendo do efeito que se deseja, do conteúdo que se quer veicular, do tempo disponível, do interlocutor ou de grupo de ouvintes. Alguns tipos de metáforas que interessam à educação:

As imagens. São rápidas e simples. Ilustram bem o oral e o escrito. No fundo é uma palavra ou frase que muda de sentido: pegar o touro a unha; ficar de nariz torcido; tapar o sol com a peneira.

As comparações. Também são imagens. Contêm, no entanto, um elemento comparativo: fumar como uma chaminé, beber como um gambá.

Os provérbios. São máximas ou sentenças de caráter prático e popular, comum a todo um grupo social, expressa em forma sucinta e geralmente rica em imagens: quanto maior a nau, maior a tormenta; gato escaldado tem medo de água fria.

As anedotas e as citações. São relatos sucintos de fatos jocosos ou curiosos vividos por outros e citados entre aspas, pelo autor do discurso ou do texto: "Isto me faz pensar na pergunta que fulano fez durante…"; "Como teria dito o professor de português…".

Os mitos e os contos. Histórias imaginárias, geralmente de origem popular, que colocam em cena heróis que encarnam forças da natureza ou aspectos da condição humana durante incidentes que não teriam acontecido, mas que fazem parte do inconsciente coletivo: o mito do paraíso perdido, as mitologias greco-romanas, os contos de fada.

Narrações, parábolas, histórias. São formas metafóricas mais completas e complexas. Para gerar mudanças no interlocutor a história há que possuir formas semelhantes à realidade vivida por ele.

Como funcionam as metáforas

Uma metáfora apresenta "um equilíbrio sutil entre, por um lado, a especificidade dos elementos nela incluídos, a fim de persuadir o interlocutor ou leitor da semelhança entre a história e a sua própria situação e, por outro lado, uma certa imprecisão, lacunas no conteúdo, "jogo" (no sentido mecânico da palavra), para que ele aceite a metáfora e receba dentro do seu próprio modelo de mundo. (LONGIN, Pierre. Aprenda a liderar com a programação neurolingüística, Rio de Janeiro: Qualitymark, 1996.)

O professor deve deixar lacunas no índice referencial: "Em um país longínquo…", "Era uma vez um velho rei…". Trabalhar com verbos inespecíficos: chegar, dizer, fazer, discutir, etc. e com nominalizações: espírito, sabedoria, esperança, santidade, amor, verdade, etc. Disfarçar as determinações ou sugestões, colocando-as a boca de personagem: "Eu não sabia, mas o cordeiro sabia!".

Como se cria uma metáfora para mudança pessoal

José Carlos Mazilli in "Manual de Programação Neurolingüística", (São Paulo: Edição do Autor, 1996) descreve da seguinte maneira a criação de uma metáfora:

1. O primeiro passo para se criar uma metáfora é saber o estado atual e o estado desejado do ouvinte. A metáfora será a história ou a jornada de um ponto para o outro.

2. Decodifique os elementos de ambos os estados: pessoas, lugares, objetos, atividades, tempo, sem perder de vista os sistemas representacionais e submodalidades de cada um desses elementos.

3. Escolha um contexto adequado para a história. De preferência um que seja interessante, e substitua os elementos do problema por outros elementos, porém mantendo a relação entre eles.

4. Crie a trama da história de maneira que ela tenha a mesma forma do estado atual e conduza-a, através da estratégia de ligação, até a solução do problema (o estado desejado) sem passar pelo hemisfério esquerdo, indo direto ao inconsciente.

João Nicolau Carvalho professor universitário, Trainer em PNL, Coach certificado.

A

intuição de que estamos diante de uma metáfora começa quando, ao fazermos uma leitura imediata, nos deparamos com uma impertinência. Ou se atribui a um referente algo que não lhe diz respeito ou se classifica o referente numa classe a que não pertence. Constatada a impertinência, o receptor da mensagem vai aplicar à situação um algoritmo metafórico. Se a aplicação for plausível teremos a metáfora, caso contrário, um lapso, uma impropriedade ou outro fenômeno.

O algoritmo da metáfora comporta até quatro elementos:

  • comparado.

  • comparante.

  • atributo explícito.

  • atributo implícito.

O atributo explícito só aparece em metáforas de segundo tipo. O atributo implícito deve ser pertinente ao comparante e ao comparado, o atributo explícito pertinente ao comparante. Determinar o atributo implícito é decifrar a metáfora, mas não o atributo na sua essência e sim todas as modificações e acréscimos que decorrem de sua ligação com o comparante. Para tanto, temos que nos basear no contexto selecionando entre os atributos possíveis aquele ou aqueles mais plausíveis. A decifração fica mais direcionada se o comparante tiver atributos marcados.

Atributo marcado

É aquele que tem com seu sujeito uma relação simbólica, ou seja, a cultura convenciona que o atributo marcado é um símbolo de seu sujeito ou vice-versa. Assim, 'altura' é um atributo marcado de 'girafa', 'peso' é um atributo marcado de 'elefante'.

Assim como na comparação, o objetivo da metáfora é dar expressividade a uma atribuição.

A metáfora é uma comparação elíptica em que sempre está ausente o atributo comum. Em muitos casos também faltam as balizas de comparação: 'como', 'tal qual', etc. Quando não há baliza de comparação, a estrutura sintática da metáfora de tipo I fica igual à usada para estabelecer identidades. Daí a metáfora ser vista como uma impertinência na leitura imediata.

Sejam as frases:

Quintiliano é o autor de Instituições Oratórias.

Aristóteles é genial.

Maria é uma flor.

A primeira frase serve para o estabelecimento de uma relação de equivalência. O significado de Quintiliano é considerado equivalente ao de autor de Instituições Oratórias. Equivalência redutível a uma relação tautológica do tipo A é A.

Na segunda frase, o que se estabelece é uma relação determinado determinante. O termo genial é determinante de Aristóteles, trata-se de uma atribuição.

Na terceira frase, temos uma metáfora.

A forma sintática das três frases é a mesma. Em função disso a metáfora numa leitura imediata aparece como impertinência. Esta semelhança entre as formas sintáticas não é ocasional. Sendo a metáfora uma comparação elíptica, ela nos é apresentada pela mesma forma que se usa para estabelecer identidades. É provável que alguma operação mental menos rigorosa que as operações lógicas estabeleça que o semelhante pode ser tratado como idêntico. Pelo mesmo tratamento relaxado das relações entre os objetos surgem os sofismas de arredondamento, por exemplo.

Metáforas tipo I

São as que explicitam comparado e comparante.

Observe os enunciados que mostram a mesma metáfora:

Maria é uma flor.

Maria é como uma flor.

Maria: uma flor.

Maria flor.

Imaginemos as frases acima proferidas num contexto em que 'Maria' é uma mulher. Pela leitura imediata concluímos que estamos diante de uma impertinência, pois, 'mulher' e 'flor' são classes disjuntas.

O algoritmo da metáfora consiste em determinar:

O comparado: Maria.

O comparante: flor.

O atributo implícito: provavelmente bela, delicada, perfumosa, suave, etc.

A determinação do atributo implícito nem sempre é simples. A pertinência ao contexto é fundamental. A metáfora é um recurso de semântica aberta e em certos casos as incertezas quanto ao atributo implícito são grandes.

Metáforas tipo II

São aquelas que explicitam comparado e atributo explícito.

Exemplo: cor quente.

Comparado: cor.

Comparante: temperatura

Atributo explícito: quente

Atributo implícito: capacidade de gerar impressões fortes e enérgicas.

Um segundo exemplo: amargo regresso

Comparado: regresso

Comparante: sabor

Atributo explícito: amargo

Atributo implícito: ruim, desagradável, etc.

Metáforas tipo III

Nesse tipo de metáfora, o comparante substitui o comparado.

Exemplo: a chave do problema.

Comparado: solução

Comparante: chave

Atributo implícito: capacidade de abrir portas, caminhos, etc.

Um caso particular é aquele em que ao comparante se atribui características do comparado. Exemplos:

O homem é um caniço pensante.

O basset é um salsichão de patas.

Pela metáfora não se compara apenas objetos, mas também fenômenos. Assim, são metáforas:

Correr como raio.

Ficar gelado de medo.

Chorar lágrimas de sangue.

Metáfora original e metáfora lexicalizada

A metaforização é um processo de vasto uso na criação de léxico. Uma metáfora pode se vulgarizar a ponto de se converter em léxico. Em muitos casos, a percepção da origem metafórica chega a se dissipar. A metáfora lexicalizada, a rigor, deixa de existir como metáfora.

Quando dizemos 'Maria é uma flor' estamos sugerindo que o enunciado seja decodificado por um algoritmo metafórico, no qual Maria continua a denominar uma mulher e flor continua a designar um vegetal, ou seja, na metáfora original nem comparado, nem comparante sofrem mutação ou transferência de sentido. Maria continua a designar a Maria e flor continua a designar a flor. Se a comunidade começar a chamar a Maria sempre por flor teremos uma lexicalização. O termo flor passará a ser signo para a Maria. Neste caso estamos diante de uma lexicalização que teve origem numa metáfora. Será justo dizer que flor passou por uma transferência de sentido? Isso gerou a clássica concepção dos tropos como 'palavra tomada em outro sentido'. Essa concepção designa, a rigor, o processo de lexicalização originado a partir de tropos. Na metáfora original não há nenhuma alteração de sentido dos signos nela envolvidos.

Hipérbole

A hipérbole é um caso especial de metáfora, usada para passar uma impressão de grau extremo em que o comparante caracteriza-se por ser um extremo em relação ao comparado.

Exemplo: demorou um século

Comparado: tempo da demora.

Comparante: um século.

Atributo implícito: demora.

O comparante é um extremo na classe dos eventos demorados da qual faz parte o comparado.

Um caso notável de hipérbole é aquele que se orgina de arredondamentos. O comparante é um arredondamento extremado que se relaciona com o comparado. Um exemplo: 'Moro onde não mora ninguém'. Numa leitura imediata, temos uma contradição. O comparado cabível seria onde quase ninguém mora.

Geralmente a hipérbole apela para o maravilhoso. Alguns exemplos:

Cuspir fogo pela boca.

Comer o pão que o diabo amassou.

Chorar lágrimas de sangue.

Agregado de significação da metáfora

Na frase 'Maria é uma flor' consideremos que a intenção seja dizer que Maria é bela. Mas por que então usar a metáfora e não o termo próprio? Com a metáfora não se diz apenas que Maria é bela mas também como é essa beleza, que tipo, que grau. A metáfora agrega significação ao discurso relativamente ao enunciado próprio que vem da sua decifração. Esse agregado de significação é que torna a metáfora um recurso espetacular de expressão, insubstituível, em muitos casos, por outros recursos.

Excelência da metáfora

Será tanto melhor quando:

  • os atributos implícitos inferidos forem muitos.

  • os atributos implícitos forem pertinentes ao comparado.

  • os atributos implícitos forem muito característicos do comparante.

  • pela metáfora se obtiver palpabilidade.

  • a metáfora intensificar ou atenuar.

Funções da metáfora

A metáfora é usada quando:

  • não há termo próprio para a situação.

  • o termo próprio não tem a conotação desejada.

  • se quer evitar a repetição do termo próprio.

  • se quer fazer comparações palpáveis.

  • se quer direcionar a atenção para o significante.

  • se busca novidade.

Comparações desconcertantes

Se o enunciado 'X é Y' não admitir leitura imediata trata-se de metáfora. Esse é o procedimento que comumente adotamos diante de enunciados do tipo dado. Diante de frases deste tipo, nossas mentes começam a trabalhar automaticamente na busca de uma semelhança entre X e Y, que viabilize a metáfora. O caso mais frustrante seria aquele em que X e Y são tão díspares que a única semelhança que se pode imputar aos dois é a do ser. A qualidade de uma metáfora está associada à semelhança induzida entre os elementos X e Y.

A definição aristotélica da metáfora

A definição aristotélica da metáfora: palavra tomada em outro sentido, embora seja pertinente à metáfora, não a enquadra. Outros recursos de estilo se enquadram na definição aristotélica de metáfora como o ato falho, a impropriedade, a ironia, o oxímoro.

A metáfora não precisa ser uma palavra, mas uma unidade semântica, que não precisa ser mínima como é a palavra.

A metáfora não está presa a uma forma. Podemos dizer: Maria é uma flor ou Maria flor ou ainda Maria é como uma flor.

Nas três formas subsiste a mesma metáfora.

A metáfora não se diferencia da comparação por termos de comparação: como, tal qual, etc. A diferença entre comparação e metáfora é que na metáfora o atributo comum está elíptico. A metáfora é um algoritmo analógico.

Tropos

A metáfora, juntamente com a metonímia, a alegoria, a ironia, o oxímoro e alguns trocadilhos formam um grupo de recursos de Retórica semânticos chamados de tropos. Os tropos caracterizam-se por parecerem impertinências numa análise superficial, ora impertinências lógicas, ora contextuais.


O prognóstico

Uma jovem mãe, submetida a um tratamento contra câncer, voltou do hospital sem cabelos, por causa da radioterapia, e muito consciente da sua aparência.

Estava sentada na cozinha, quando seu filho apareceu na porta, olhando-a curiosamente.

Quando a mãe iniciou o discurso que ensaiara para ajudá-lo a entender o que via, o menino se aproximou e aconchegou-se em seu colo, quietinho, a cabeça recostada em seu peito.

A mãe acariciou a cabecinha do filho e disse: "Você vai ver como daqui a pouco o meu cabelo vai crescer e eu vou ficar melhor, como era antes."

O menininho se levantou, olhou para a mãe pensativo. Com a espontaneidade de seus seis anos, respondeu: "Seu cabelo está diferente, mas seu coraão está igualzinho."

A mãe não precisava mais esperar por "daqui a pouco" parar melhorar. Com os olhos cheios de lágrimas, ela se deu conta de que já estava muito melhor.

Rochelle M. Pennington
Histórias para aquecer o coração das mães
Jack Canfield, Mark Victor Hansen e outros
Editora Sextante


Links para sites sobre Metáforas
Última atualização 21/3/2008 23:11:34

Fábulas Infantis www.metaforas.com.br

Escolha a classificação que você deseja:
Título Data Autor

A "Sabe-Tudo" - Desconhecido - 8/3/2002
A águia e a seta - Esopo - 28/9/2004
A Baleia Alegre - Desconhecido - 8/2/2002
A Borboleta Orgulhosa - Desconhecido - 8/7/2000
A cigarra e as formigas - Esopo - 19/2/2004
A Coelhinha das Orelhas Grandes - Desconhecido - 8/4/2001
A Formiga e a Pomba - Esopo - 6/3/2004
A Galinha Ruiva - Penryhn Coussens - 8/7/2002
A gansa dos ovos de ouro - Esopo - 21/2/2004
A gralha vaidosa - Esopo - 6/7/2004
A lebre e a Tartaruga - La Fontaine - 20/2/2004
A lebre e a Tartaruga - Esopo - 20/1/2005
A menina do leite - La Fontaine - 1/3/2004
A Ovelha Negra - Desconhecido - 8/1/2001
A raposa e a cegonha - Esopo - 8/2/2004
A raposa e a mascara - Esopo - 10/1/2005
A raposa e as uvas - Esopo - 10/2/2004
A Raposa e o Corvo - Desconhecido - 8/11/2000
A raposa e o corvo - Esopo - 8/10/2002
A raposa e o leao - Esopo - 7/5/2004
A Regata - Desconhecido - 8/4/2002
A reunião geral dos ratos - Esopo - 23/7/2004
A rosa e a borboleta - Esopo - 26/2/2004
A Tartaruga e a Águia - Desconhecido - 8/9/2000
A velha e suas criadas - Esopo - 16/10/2004
As arvores e o machado - Esopo - 28/2/2004
As lebres, as raposas e as águias - Esopo - 4/3/2004
As rãs em busca de um rei - Esopo - 4/9/2004
O Abuso de Confiança - Desconhecido - 8/12/2001
O Asno e o Velho Pastor - Esopo - 29/4/2004
O astronomo - Esopo - 3/4/2004
O burro e o cachorrinho - Esopo - 20/3/2004
O burro e seu condutor - Esopo - 21/8/2004
O burro que vestiu a pele de um leão - Esopo - 14/4/2004
O Cachorro e sua Sombra - Esopo - 8/9/2002
O cachorro na manjedoura - Esopo - 8/6/2004
O Canguru Marinheiro - Desconhecido - 8/8/2001
O Canguru que Saltava para Trás - Desconhecido - 8/5/2000
O Cão Raivoso - Esopo - 9/3/2004
O Caracol Invejoso - Desconhecido - 8/7/2001
O Castor Desportista - Desconhecido - 8/5/2002
O Cavalo Descontente - Desconhecido - 8/6/2001
O Coala Sujo - Desconhecido - 8/5/2001
O Corvo e o Jarro - Esopo - 19/12/2007
O galo e a joia - Esopo - 25/3/2004
O galo e a raposa - Esopo - 8/11/2002
O garoto do "olha o lobo" - Esopo - 19/4/2004
O gato e o galo - Esopo - 24/6/2004
O gato, o galo e o ratinho - Esopo - 31/8/2004
O homem, seu filho e o burro - Esopo - 28/6/2004
O Ladrão e o Cão de Guarda - Esopo - 3/11/2009
O Leão Apaixonado - Esopo - 29/2/2008
O Leão e o Esquilo - Desconhecido - 8/2/2001
O leão e o mosquito - Esopo - 8/12/2002
O leão e o ratinho - Esopo - 13/2/2004
O Leão e os Três Touros - Esopo - 13/11/2009
O leopardo e a raposa - Esopo - 9/7/2004
O lobo e a cabra - Esopo - 21/6/2004
O lobo e a cegonha - Esopo - 20/11/2004
O lobo e o burro - Esopo - 16/12/2004
O lobo e o Cordeiro - La Fontaine - 14/2/2004
O Macaco e o Golfinho - Esopo - 8/8/2002
O Ouriço e o jogo da Cabra-cega - Desconhecido - 8/9/2001
O Parto da Montanha - Esopo - 11/10/2004
O Patinho Feio - Hans Christian Andersen - 4/7/2004
O Periquito Tagarela - Desconhecido - 8/1/2002
O pescador flautista - Esopo - 17/5/2004
O Pingüim Glutão - Desconhecido - 8/12/2000
O Professor Golfinho - Desconhecido - 8/8/2000
O rapaz e a moça inconstante - Esopo - 25/9/2004
O ratinho da cidade e o ratinho do campo - Esopo - 26/4/2004
O Riacho - Leonardo da Vinci - 16/2/2004
O sapo e o boi - Esopo - 14/3/2004
O Tempo Cura Tudo - Desconhecido - 4/4/2007
O Ursinho Desavergonhado - Desconhecido - 8/11/2001
O ursinho e as abelhas - Leonardo da Vinci - 24/2/2004
O Ursinho e o Mel - Desconhecido - 8/3/2001
O urso e a raposa - Esopo - 7/8/2004
O urso e as abelhas - Esopo - 13/7/2004
Os Bandidos - Desconhecido - 8/6/2002
Os Burros Espertos - Desconhecido - 8/6/2000
Os dois amiguinhos - Esopo - 20/7/2004
Os ladrões e o Galo - Esopo - 2/1/2005
Os meninos e as rãs - Esopo - 8/5/2003
Os Ratinhos Desobedientes - Desconhecido - 8/10/2000
Os viajantes e o urso - Esopo - 8/6/2003
Um Grande Cavalheiro - Desconhecido - 8/10/2001
fonte
http://www.metaforas.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Recadinho


Glitter Text @ Glitterfy.com

UOL Notícias





Declaração Universal dos Direitos Humanos