segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Morre na madrugada do dia 09/07/0212 Dom José Rodrigues: o Bispo dos "Excluídos"


Fonte: http://www.diocesejuazeiro.org/

Prefeitura decreta luto oficial de três dias em Juazeiro pelo falecimento do nosso Bispo Emérito

Nota Oficial - Prefeitura de Juazeiro/BA

O Prefeito Isaac Carvalho decreta luto oficial de três dias, a contar desta segunda-feira, devido ao falecimento de Dom José Rodrigues, Bispo Emérito de Juazeiro. No Decreto o Prefeito justifica a medida pelos relevantes serviços prestados por Dom José Rodrigues a Juazeiro e a todo o Vale do São Francisco, onde exerceu notável função pastoral em defesa da liberdade e dos povos oprimidos.

Por Ascom/PMJ


CNBB envia nota de pesar pelo falecimento de D. José Rodrigues

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulga neste domingo, 9 de setembro, nota oficial pela morte do bispo-emérito de Juazeiro (BA), dom José Rodrigues de Souza. O texto, assinado pelo Secretário-Geral da entidade, dom Leonardo Steiner, destaca a atuação do bispo a favor dos excluídos e pobres.

A seguir, a íntegra da nota:

Brasília, 09 de setembro de 2012
SG. Nº. 0832/12

NOTA DE PESAR PELO FALECIMENTO DE DOM JOSÉ RODRIGUES DE SOUSA

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) manifesta seu pesar pela morte do bispo emérito de Juazeiro (BA), dom José Rodrigues de Sousa. Após longo período de internação, em Goiânia (GO), o bispo veio a falecer na madrugada deste domingo, 9 de setembro.

Dom José Rodrigues nasceu em Paraíba do Sul (RJ), em 1926. Aos 12 anos, ingressou no Seminário Santo Afonso, em Aparecida (SP). Professou como membro da Congregação do Santíssimo Redentor em 1946, e fez a preparação para o ministério presbiteral em Tietê (SP), onde foi ordenado em 1950.

Atuou, por longos anos, na equipe de missões itinerantes dos redentoristas. Houve tempo também para os estudos: fez especialização em Catequese e Pastoral, na Bélgica. Foi Superior Vice-Provincial de Brasília (hoje, Província de Goiás) por quatro anos. Em 1974, foi nomeado pelo papa Paulo VI como bispo de Juazeiro (BA).

Seu episcopado teve a marca forte da atenção aos mais pobres. Logo ao chegar a Juazeiro, entrou na defesa dos atingidos pela construção da usina hidrelétrica de Sobradinho. Também prestou especial atenção às pastorais sociais em sua diocese. Preocupado com a formação dos agentes pastorais e a comunicação, foi pioneiro ao criar um Setor Diocesano da Comunicação Audiovisual, com uma biblioteca com 45 mil volumes.

Junto ao Regional Nordeste 3 da CNBB, acompanhou a Comissão Pastoral da Terra e a Pastoral da Juventude do Meio Popular. Foi presidente nacional do Conselho Pastoral dos Pescadores. Sua biografia foi publicada por um jornalista na Alemanha, com o justo título de “O bispo dos excluídos”. Em 2003, ao renunciar ao governo da diocese por motivos de idade, passou a viver na comunidade redentorista da cidade de Trindade (GO).

Seu lema episcopal, “Enviou-me a evangelizar os pobres” define o seu propósito de vida como religioso e pastor de nossa Igreja. Que sirva de inspiração para aqueles que também desejam trilhar o caminho do Reino de Deus. Aos familiares de dom José, aos Missionários Redentoristas, à diocese de Juazeiro, expressamos nossa solidariedade, iluminados pela Palavra do Evangelho: “Se o grão de trigo que cai na terra não morre, fica só. Mas, se morre, produz muito fruto” (Jo 12,24).


+Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário Geral da CNBB


Bispo emite Nota de Falecimento de D. José Rodrigues




A Diocese de Juazeiro-BA, através de seu Bispo diocesano, Dom José Geraldo da Cruz, torna pública a triste notícia do falecimento de seu Bispo emérito, Dom José Rodrigues de Souza, de 86 anos, acontecido às 04h30 da manhã deste domingo (9), no hospital Santa Mônica, em Goiânia (GO).

Depois de uma cirurgia para tratamento de uma hidrocefalia (acumulação de líquido na cavidade craniana) o bispo teve seu estado de saúde agravado e não resistiu, vindo a falecer na madrugada de hoje.

O corpo, embalsamado, será velado na Igreja Matriz de Campinas de Goiânia onde, na manhã do dia 10, haverá Missa de corpo presente. Os restos mortais de Dom José Rodrigues seguirão, em seguida, para Juazeiro, em companhia de três Padres de sua Congregação.

Dom José Rodrigues será velado na Catedral durante a tarde e a noite do dia 10. Na parte da manhã do dia 11, terça-feira, haverá Missa de Exéquias e seu sepultamento será realizado no cemitério do CTL de Carnaíba do Sertão.

Aproveitamos para manifestar nossa gratidão a Deus pela vida e pelo fecundo ministério episcopal que dom José Rodrigues realizou à frente de nossa diocese por quase trinta anos e também a todos que nestes dias de seu sofrimento uniram-se a nós em oração.

Juazeiro, 09 de setembro de 2012


Dom José Geraldo da Cruz, a.a.
Bispo de Juazeiro

DESCANSO ETERNO: Dom José Rodrigues partiu para a casa do Pai

A Diocese de Juazeiro informa com pesar o falecimento de D. José Rodrigues o bispo dos excluídos, Emérito de Juazeiro/BA, às 4h30 da manhã deste domingo (9), no hospital Santa Mônica, em Goiânia (GO). Depois de uma cirurgia para tratamento de uma hidrocefalia (acumulação de líquido na cavidade craniana) o bispo teve seu estado de saúde agravado e não resistiu, vindo a falecer na madrugada de hoje.

Rezemos para que o Senhor acolha o seu Servo e lhe dê a recompensa devida por tantos anos de trabalho e dedicação em favor dos pobres e excluídos desta Diocese. Da nossa parte louvemos a Deus por ter nos dado este "pequeno grande Bispo". Ele partiu para a Casa do Pai... Agora não está longe, mas está mais perto ainda de nós, pois está com Deus.

As informações são do Vigário Geral da Diocese, Padre Josemar Mota.

Artigo - Morreu o profeta do Semiárido

Por Roberto Malvezzi - Gogó (foto)

D. José José Rodrigues foi o homem certo, no lugar certo, na hora certa. Quando chegou a Juazeiro para ser bispo, a barragem de Sobradinho estava em construção. Então, ele assumiu a sorte dos relocados, depois dos pobres em geral e nunca mudou. Chegou em 1975.

Aqui era área de segurança nacional, regime militar, ACM governador, prefeitos nomeados pelo presidente da república. Não havia partidos, nem organizações populares. Então, com poucos padres e religiosas, chamou leigos para apoiar os 72 mi relocados. Assim, a diocese foi durante muito tempo o abrigo para cristãos, comunistas, ateus, qualquer um que movido pela justiça assumisse a causa do povo.

Depois enfrentou o período das longas secas. Criou pastorais populares. Fez o opção radical pelos pobres e comunidades eclesiais de base. Usava as rádios e seu poder de comunicação para defender os oprimidos pelo peso dos coronéis e do regime militar.

Quando um gerente do Banco do Brasil foi seqüestrado, ele aceitou ser trocado. Ficou sob a mira dos revólveres por dias, começando sobre a ponte que liga Juazeiro a Petrolina. Depois visitou seus seqüestradores na cadeia e ainda fez o casamento de um deles.

Abrigou na diocese toda convivência com o semiárido, muito lembrado nesses tempos de estiagem. Por isso, quando a ASA fez um de seus encontros nacionais, quis fazê-lo em Juazeiro para homenagear esse profeta do semiárido.

Costumava contar que recebeu muitos presentes quando chegou e foi reverenciado pela elite. No terceiro ano ganhou três camisas. No quinto ano ganhou de presente uma única camisa dada por uma prostituta que freqüentava a escola Senhor do Bonfim, trabalho feito junto às prostitutas da cidade.

Quando foi embora saiu com toda a mudança que trouxe: uma mala que cabia uma muda de roupas – que ele lavava todas as noites para vestir no dia seguinte – e seu livro de oração.

Na celebração de despedida afirmou na catedral: “nunca trai os pobres, nem em época de eleição”.

D. José faleceu nessa madrugada, dia 9 de Setembro, em Goiânia, comunidade redentorista de Trindade, para onde foi depois de 28 anos em Juazeiro.

Seu corpo será transladado para Juazeiro na segunda-feira (dia 10, hoje), onde será enterrado. Aqui, sua memória jamais será esquecida por aqueles que com ele conviveram, sobretudo, pelos em situação de pobreza, nos corações dos quais ele reside.


Dom José Rodrigues de Souza, Bispo de Juazeiro
Dom José nasceu no Estado do Rio de Janeiro, em 1926. Foi professor de português no Seminário de Aparecida (SP), e entre 1966 e 1968 fez o Curso de Especialização em Catequese e Pastoral em Bruxelas. Voltando ao Brasil, trabalhou nas Missões em São Paulo, Minas, Paraná e Amazonas.

Em 1970 foi eleito Superior Provincial dos Missionários Redentoristas de Goiás e Distrito Federal.

Em 1975 foi ordenado Bispo e nomeado para a Diocese de Juazeiro.

Na ocasião, a construção da Hidroelétrica de Sobradinho tinha desalojado 72.000 pessoas. Dom José entrou logo na luta em defesa dessas pessoas. Foi a primeira das muitas lutas pelos direitos dos pobres do sertão na qual ele se envolveu, enfrentando inclusive a ferocidade da ditadura militar.

Sua capacidade de luta, seu sentimento de solidariedade com o povo excluído e sua intransigência na defesa dos direitos humanos, fizeram que ele fosse freqüentemente acusado (pelos mais favorecidos, é claro,) de ter uma atuação mais política que religiosa.

Desde que chegou a Juazeiro promoveu nove Pastorais Sociais (da Terra, da Criança, da Juventude do Meio Popular, da Mulher Marginalizada, da Saúde, dos Pescadores, Carcerária); criou o Setor Diocesano da Comunicação Audiovisual, com uma Biblioteca com 45.000 volumes, equipamentos de produção de rádio e televisão, jornalismo impresso, uma locadora com 2.000 títulos de vídeos para escolas e professores além de 3 programas de rádio semanais. Foi o criador do projeto Cisternas Caseiras (para armazenar água de chuva), de tanto sucesso que o Ministério do Meio Ambiente pretende copiá-lo.

Dom José já prestou depoimento em numerosas CPIs, como aquela - sobre a grilagem na Bahia em 1977; na Comissão da Bacia do São Francisco em 1978, quando falou nos problemas causados pela construção da Barragem de Sobradinho – e na do Terror em 1981 entre outras.

Dom José participou de numerosos debates sobre a seca e a fome no nordeste.

Membro da Associação Bahiana de Imprensa durante seis anos seguidos Dom José recebeu o Troféu Mandacaru de Ouro, criado por um grupo de jornalistas da Bahia para homenagear os destaques do ano em política, economia, arte, cultura e religião.

Em 1992 publicou-se sua biografia em alemão, já traduzida e publicada e sob o título “O Bispo dos Excluídos: Dom José Rodrigues.”

fonte: http://www.diocesejuazeiro.org/


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Recadinho


Glitter Text @ Glitterfy.com

UOL Notícias





Declaração Universal dos Direitos Humanos